"O amor, o conhecimento e o trabalho, são fontes de nossas vidas. Deveriam também governá-los". - Wilhelm Reich







quarta-feira, 1 de março de 2017

ATENÇÃO CARNAVALESCOS

Atenção Senhoras e Senhoras,
A partir de amanhã às 7h, estarão abertos os Laboratórios de Análises Clinicas de todo o país para os seguintes exames:

Bacterioscopia da secreção uretral, PMN, Elisa, PRC, Biópsia de lesão, Técnica de Gram, Hibridização in situ, Exame sorológico, VDRL, RPR, FTA-abs, MHA-Tp, Teste Western Blot (Resumindo: DST - HIV/AIDS).

Beta HCG (TESTE DE GRAVIDEZ)

Caso não consiga, devido as enormes filas que assolaram até as 12h (horário que acaba a coleta para exames específicos), favor correr para o hospital mais próximo de sua residência, caso não queria ter uma surpresa desagradável num período de 15 dias a 9 meses.
Agradeço sua atenção!

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

DISFUNÇÕES OU TRANSTORNOS SEXUAIS

Disfunções ou transtornos sexuais são problemas que ocorrem em alguma das fases da resposta sexual humana.
Disfunções Sexuais Femininas
Na mulher, as disfunções sexuais mais comuns são: as inibições do desejo sexual, a anorgasmia, o vaginismo e a dispareunia.
As inibições do desejo sexual ou transtorno do desejo sexual hipoativo, constituem a falta ou diminuição da motivação para a busca de sexo, ou seja, a pessoa não tem vontade de manter relações sexuais.
Isso ocorre mais comumente devido a:
problemas no casamento (brigas, desentendimentos quanto ao que cada um espera do relacionamento)
falta de intimidade
dificuldades de comunicação entre o casal, ou ainda, devido a tabus sobre a própria sexualidade, como, por exemplo, associações de sexo com pecado, com desobediência ou com punições
Inibições decorrentes de traumas sexuais (abuso sexual, estupro)
doenças, a problemas hormonais e ao uso de certas drogas e remédios.

O diagnóstico pode ser feito por médico clínico, ginecologista, psiquiatra ou psicólogo, através das queixas apresentadas pela paciente; dependendo das queixas, pode ser necessária a realização de exames, para se descobrir a origem da falta de desejo.
O tratamento se faz de acordo com a causa. Quando houver problemas clínicos (doenças), a paciente deve ser encaminhada para um especialista, quando necessário (por exemplo, um endocrinologista quando houver problemas hormonais), sendo que cada tipo de diagnóstico vai requerer um tipo específico de tratamento. Entretanto, a maioria dos casos deve-se a problemas psicológicos ou problemas no relacionamento do casal, e esses deverão ser tratados por psicólogo ou psiquiatra, tentando descobrir as causas, compreendê-las e resolvê-las.
anorgasmia ou disfunção orgásmica é a falta de sensação de orgasmo na relação sexual. Pode ser primária, quando a mulher nunca teve orgasmo na vida, ou secundária, quando tinha orgasmos e passou a não tê-los mais. Ainda pode ser classificada em absoluta, quando a anorgasmia ocorre sempre, e situacional quando ocorre só em certas situações (por exemplo, em certos locais em que a pessoa não se sente confortável, ou com parceiro com o qual tenha algum tipo de conflito). A mulher com anorgasmia pode aproveitar plenamente das outras fases do ato sexual, isto é, tem desejo, aproveita as carícias e se excita, porém algo a bloqueia no momento do orgasmo.
As causas da anorgasmia são principalmente psicológicas, envolvendo problemas nos relacionamentos interpessoais, conflitos a respeito da sexualidade, falta de conhecimento do próprio corpo e sensações, dificuldade na intimidade e comunicação do casal em assuntos sobre sexo. Problemas clínicos também podem causar anorgasmia, por exemplo, acidentes que atingem a medula espinhal, alterações hormonais, corrimentos vaginais freqüentes ou ainda anormalidades na forma da vagina, do útero ou dos músculos que formam a região pélvica (região onde se situam os órgãos genitais).
vaginismo é uma contração inconsciente, não desejada, da musculatura da vagina, que ocorre quando a pessoa imagina que possa vir a ter um ato sexual. Essa contração atrapalha ou impede a introdução do pênis, a qual, se for tentada causará muita dor, sendo que na maioria das vezes o casal não consegue ter ato sexual com penetração.
Pode ser conseqüência de uma educação rígida que provocou muitos tabus sexuais gerando conflitos psicológicos, conseqüência de traumas sexuais (estupro ou abuso sexual) ou de experiências sexuais anteriores que tenham causado sofrimento físico.
O diagnóstico é feito em geral pelo ginecologista, através do relato da paciente e também pelo exame ginecológico. O tratamento consiste em identificar e tentar modificar a causa do vaginismo.
Esse tipo de tratamento é feito por ginecologistas ou terapeutas sexuais, e consiste na realização de exercícios genitais com a intenção de conseguir o relaxamento da pessoa, tentando evitar que ocorra a contração no momento do ato sexual e no entendimento das causas psicológicas associadas.
Esse tipo de tratamento é feito por ginecologistas ou terapeutas sexuais, e consiste:
No entendimento das causas psicológicas
Na realização de exercícios genitais com a intenção de conseguir o relaxamento da pessoa, tentando evitar que ocorra a contração no momento do ato sexual.

dispareunia é a dor genital que ocorre repetidamente antes, durante ou após o ato sexual.
As causas mais comuns são doenças ginecológicas (tipo corrimento vaginal ou alterações no formato da vagina) ou contração da musculatura vaginal durante o ato sexual, devido a conflitos psicológicos relativos à sexualidade.
O diagnóstico em geral é feito pelo ginecologista, também se faz pela análise das queixas da paciente e do exame ginecológico e o tratamento será de acordo com a causa, isto é, tratamento para a doença diagnosticada, feito em geral pelo próprio ginecologista ou tratamento com psicólogos ou psiquiatras, quando o problema for decorrente de conflitos psicológicos.
Disfunções Sexuais Masculinas
As disfunções sexuais masculinas mais comuns são: a disfunção erétil (impotência) e a ejaculação precoce.
A disfunção erétil conhecida como impotência, consiste na incapacidade em obter ou manter uma ereção que permita manter uma relação sexual, ou seja, o homem não consegue que seu pênis fique e permaneça duro e assim consiga ter relação sexual com penetração.
As causas mais comuns são:
 
Doenças como diabetes, pressão alta, colesterol alto
Traumas ou acidentes envolvendo a medula espinhal ou o próprio pênis
O fumo, uso de drogas e alguns medicamentos (principalmente aqueles usados para tratamento de problemas do coração)
Abuso de álcool
Causas psicológicas (medos ou tabus em relação à sexualidade)

O paciente poderá ser encaminhado ao urologista (especialista que trata esses casos), onde certos exames podem ser feitos para descobrir a causa da impotência.
O tratamento dependerá da causa. Para alguns casos de impotência existem medicamentos ou injeções intrapenianas, que deverão ser usados apenas com prescrição médica, pois são indicados para casos específicos. Próteses penianas ficariam como última opção, pois uma vez colocadas não há como retirá-las, e são indicadas apenas quando nenhuma outra opção funcionou.
É importante lembrar que muitas vezes fatores psicológicos podem causar disfunção erétil. Conversar sobre esses conflitos internos com psicólogo ou psiquiatra podem resolver o problema sem ser necessário outros tipos de tratamento.
ejaculação precoce acontece quando o homem não tem controle sobre sua ejaculação, não conseguindo segurá-la até o final do ato sexual, o que leva a uma redução na sensação de prazer. Assim, a ejaculação pode ocorrer logo que o homem tem pensamentos eróticos e ereção, sem nem ocorrer a penetração, ou ainda logo após haver a penetração. A ejaculação precoce pode ser decorrente de causas físicas (doenças, traumatismos) ou mais comumente de problemas psicológicos. Quando o homem nunca teve controle ejaculatório, o mais comum é que seja por causas psicológicas (como ansiedade, primeiras experiências sexuais tensas ou ainda dificuldades no relacionamento do casal). Mas quando o homem tinha controle ejaculatório e passou a não ter mais, é necessário fazer exames com um urologista e neurologista, pois mais provavelmente a causa do problema é física. O tratamento depende da causa: tratamentos específicos para as doenças encontradas ou lesões diagnosticadas, feitos pelo urologista ou neurologista; ou psicoterapia (tratamento psicológico) para os problemas psicológicos, com psicólogo especializado em Sexologia..

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

sábado, 7 de novembro de 2015

O Trauma Nupcial é para Todos.





Não sou Freudiana, mas certa vez me deparei com a seguinte frase: 

"O primeiro trauma sexual se adquire na noite de núpcias"

Não demorou muito para que eu visse em que ponto a noite de núpcias seria traumática, também para os homens.
Com relação às mulheres virgens, não é difícil de entender todo o pavor desta noite tão importante. 
Muitas vezes, esse trauma começa dentro de casa ou no caso de religiões ortodoxas. A sociedade também colabora para que não seja um mar de flores esta noite tão especial. Historicamente falando, isso vem de séculos datados, (começou no século 18), a partir do conhecimento do que as pessoas faziam e como era tratado dentro de casa e pela igreja que sempre foi um pilar forte e exigente diante das pessoas.

O medo de sentir dor: por exemplo, é a primeira coisa que é encontrado nos relatos dessas mulheres que estão prestes a se casar.
Vai doer? Vai! Não vou mentir, mas é uma coisa suportável, uma pequena ardenciazinha, um desconforto, pois afinal de contas é um local sensível, intocado, que nunca foi ferido ou cortado, assim como um dedo ou uma perna, enfim. 
Na verdade, essa dor é também proveniente da tensão nervosa, o medo, a ansiedade, pensamentos embaralhados onde isso colabora com que o corpo não relaxe, a vagina se contraia mais e mesmo com a insistência e paciência do homem, a mulher vai sentir muito mais dor, as pernas se fecham e ai começa o terror.

Medo de ser rejeitada: Esse medo é também muito encontrado quando a mulher insegura de achar que não será suficientemente boa na cama para o esposo, que não conseguirá satisfazer suas vontades.
Bem, pra inicio de conversa, vc é virgem, não sabe de nada, uma tábula rasa. Seu esposo vai lhe ensinar tudo ou pelo menos parte, se assim vc desejar o que ele sabe.  Irá explorar áreas de prazer, onde algumas vezes transparecerá vergonha, encabulação, medo de fazer errado (a mulher). A rejeição, aparece quando o casal não se entende e o homem arrogante não tem capacidade de ajudar a esposa, impaciente, machista etc. Reclamar é muito fácil, mas ensinar é um campo de muita paciência e gosto. 
Por isso, quando escuto alguns homens que dizer que sua parceira é "mais ou menos na cama", venho logo com o discurso:

" Ela não é ruim na cama ou mais ou menos, é você que não soube ensinar tudo o que sabe ou é inexperiente e impaciente. A mulher é como uma esponja, ela absorve tudo o que está a sua volta. Se vc ensinar sobre o prazer corporal, ela irá tentar fazer até acertar. Então, se a sua esposa não é boa de cama a incompetência é de quem ensina".

Não conseguir dar prazer: Como citei acima, se o homem for paciente, compreensivo e inteligente, ele irá ensinar o que sabe para a esposa para o prazer de ambos. A mulher a priori, não precisa ter toda essa carga emocional, ela precisa estar atenta e aproveitar o momento.

Não ter um corpo atraente: Por mais que as roupas tampem o corpo, o homem não é cego e sim, observador. Se ele está casando com você, o corpo, a inteligencia, a amizade, relação de afeto, amor, foram coisas que entraram no quesito: Escolher esposa, mãe dos meus filhos. Atração sexual, aparece desde o primeiro momento em que as pessoas se conhecem, isso é fato. Tudo o que você pode fazer é, continuar sendo atraente para o seu esposo, saiba como e siga.

Grande parte de situações assim acabam ocorrendo as disfunções sexuais, incompatibilidade, não consumação do ato, anulação do casamento etc. 
As disfunções são na maioria das vezes psicológicas, a partir do momento em que mesmo depois da noite de nupcias o ato ainda não seja consumado, tem de se fazer uma análise do problema com o ginecologista, primeiramente. Após isso, o encaminhamento ao psicólogo especialista em sexologia. 

Sobre os homens, eu também observo uma carga emocional muito grande neste momento tão importante.
Medo de falhar, medo dela não gostar, tem que ter um ótimo desempenho, tem que ser paciente, tem que se mostrar homem.
Isso é muito proveniente na família e na sociedade, que ensinam q o homem tem de ser potente, forte, estar sempre pronto, não pode falhar etc. 
Essa carga toda também se transforma em medo e ansiedade, fora que ele tem der ser muito mais para sua esposa (macho, viril, forte), tem que mostrar serviço.
Muitos casos também de disfunções sexuais começam assim, inclusive também observando que a timidez, auxiliar a piorar a situação.

Desde que o mundo é mundo essas questões existem, mas nunca fomos capazes de encontrar um fundamento do por que isso acontece na grande maioria. São situações que remetem desde nossa infância e isso nos torna adultos traumatizados.

Foquei mais na virgindade, mas há casos também que, mesmo ter sido feito algo antes de se casar, tanto o homem e a mulher que já possuem uma certa experiencia, esses traumas também podem aparecer. às vezes fico pensando, que esse momento é tão importante após a oficialização do casamento, que mesmo assim a ansiedade fica fantasmagorizando as pessoas. Isso pode acontecer.

Mente livre, foco, confiança, segurança, paciência, amor e compreensão, são fontes importante para que não aja traumas. Basta trabalhar isso bem na sua cabeça!
Aproveite! Permita-se a ser feliz!




quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Assexuados




Classifico como uma patologia. Concordo com o psicólogo citado, mas tb acrescento uma ortodoxia familiar e religiosa com relação não sentir prazer ou desejar o outro. Existem muito casos tb onde há uma falha no sistema hormonal específico (são 7 hormônios sexuais que classificam disfunções ou doenças em casos físicos).
Sou a favor de um tratamento com um psicólogo/sexólogo, endocrinologista e tb ginecologista/urologista.
Em alguns casos é psicológico em outros, fisiológico e há tb os mistos, é interessante ser avaliado do porquê a pessoa tem essa classificação como escolha de vida.
Já tratei gente assim e o caso foi puramente situação de ortodoxia. Depois de um tratamento psicológico, visitas aos médicos específicos, a pessoa começou a sentir interesse, coisa q ela não entendia pq tinha essa falta de interesse, se era algo que ela tinha muita curiosidade.
Desculpe, isso não é frescura de uns, mas casos importantes a serem analisados.



http://delas.ig.com.br/amoresexo/2015-10-28/prefiro-pizza-a-sexo.html